Pular para o conteúdo principal

O dia em que meus fones de ouvido salvaram minha vida


  Essa é uma dessas típicas historietas que nos acontecem apenas uma vez na vida e que, a partir daquele momento, teremos uma visão diferente das coisas. Outros dirão que esta é apenas mais uma história para contar nas festas de ano ou no Natal entre os familiares, do tipo “é pra ver ou pra comer” e essas outras insanidades, que só começam a ter graça depois da décima taça de champanhe.
 Mas que dizia? O sim, a história, vamos a ela. Estava no transporte coletivo, com meus fones de ouvido, coisa que sempre uso, na verdade eu nem ouço coisa nenhuma é apenas pra não ter que, eventualmente, conversar com algum estranho (ou conhecido, não sou muito de conversas públicas). No dia em questão, com os fones nas orelhas, como de costume, sentou-se um senhor, bastante consternado e tremendo um pouco, aparentemente  estava sob efeito de alguma droga.
fones de ouvido salvadores
   Pois bem, esse senhor, sentou-se no banco ao meu lado, percebia que ele queria conversar (se é que isso era possível no estado em que ele estava) porque de vez em quando ele olhava para mim, como que com algum segredo que só contaria para mim  e não queria que ninguém mais soubesse. Ele olhou de novo, de novo e de novo, e percebendo que eu não tiraria meus fones e aparentemente não estava lhe dando a mínima, levantou-se e foi se sentar ao lada de uma senhorinha, dessas religiosas, de terço e tudo sabe?

E aí, está gostando de nossa crônica? 
Confira outras crônicas no nosso BLOG
Veja também nossa última crônica: MORTE ACIDENTAL

  Em alguns minutos nosso amigo começou. Abriu a boca e falou uma quantidade enorme teorias sobre o que era cada coisa e porque acontecia isso ou aquilo. Uma delas dizia respeito ao porque dos carros terem o teto do mesmo material que o resto, o que, segundo ele, era uma medida do Governo Imperial Secreto para inibir o ataque de extraterrestres. Esse era um dos motivos para os governos não investirem em transportes alternativos como bicicletas ou outros tipos de carros. Para ele apenas os conversíveis não tinham caído na armadilha do Governo Imperial. Bem, as teorias desse doido (embora, estranhamente tudo que ele disse possuia alguma lógica) dariam outra crônica. Talvez conte essas teorias ao meu amigo Chaguinha e ele, sob efeito de algum chá possa escrever-lhes.
  Cabe terminar a crônica, pois o seu tempo não é capim e também tenho mais o que fazer. Então como dizia, esse senhor começou sua narrativa de tramoias e armações que durou algo em torno de meia-hora, eu já estava para descer em meu ponto, felizmente pude ver o desenrolar da história. No meio dos desvaneios do doido a senhorinha começou a falar sobre as bençãos do Senhor para a vida dele e que Deus poderia restaurá-la. Em meio ao falatório, de ambas as  partes, de repente o louco pega a bolsa da senhora e dá-lhe um tiro no meio da testa, dizendo para mulher ir conversar com Deus pessoalmente, pela expressão dele parecia que ele estava fazendo-lhe um favor . Daquele dia em diante sempre ando com um fone a mais na bolsa.


7 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Desejada Das Gentes, Machado de Assis

— Ah! conselheiro, aí começa a falar em verso.
— Todos os homens devem ter uma lira no coração, — ou não sejam homens. Que
a lira ressoe a toda a hora, nem por qualquer motivo, não o digo eu, mas de longe
em longe, e por algumas reminiscências particulares... Sabe por que é que lhe
pareço poeta, apesar das Ordenações do Reino e dos cabelos grisalhos? é porque
vamos por esta Glória adiante, costeando aqui a Secretaria de Estrangeiros... Lá
está o outeiro célebre... Adiante há uma casa...
— Vamos andando.
— Vamos... Divina Quintília! Todas essas caras que aí passam são outras, mas
falam-me daquele tempo, como se fossem as mesmas de outrora; é a lira que
ressoa, e a imaginação faz o resto. Divina Quintília!
— Chamava-se Quintília? Conheci de vista, quando andava na Escola de Medicina,
uma linda moça com esse nome. Diziam que era a mais bela da cidade.
— Há de ser a mesma, porque tinha essa fama. Magra e alta?
— Isso. Que fim levou?
— Morreu em 1859. Vinte de abril. Nunca me há de esquecer esse dia. Vou

A Coxinha Estragada

Acordei tarde hoje e desobedecendo meu costume não fiz almoço, então fui á lanchonete da quadra comer um salgado. Não que eu seja do tipo que se satisfaz fácil (as "primas" da zona que o digam), mas ordinariamente não como muito no almoço, prefiro comer mais na janta, assim posso dormir de "bucho cheio" como diria seu "Maneu".

 Quando cheguei havia apenas uma coxinha na estufa, e estava exuberantemente convidativa, talvez pela minha fome, ou por ser a última, o aspecto geral me agradou. Também me agradou a moça que estava atendendo, bastante simpática, bonita a bicha ó, dessas de tirar o fôlego. Aparentemente estava em treinamento, porque tinha uma senhora de mal-humor e um cigarro, inapropriadamente perto da comida, na boca, que lhe dizia tudo o que ela tinha que fazer.

 Peguei a coxinha, paguei e fui andando e comendo, pouco depois da segunda mordida, quando chegamos na parte do recheio, para minha decepção o frango estava azedo e quase vomito ali mesmo.…

Um menino de paixões de ópera, Nelson Rodrigues

Bem me lembro dos meus cinco, seis anos. O vizinho era, então, todo
o meu horizonte humano. Ainda vejo as pessoas que moravam ao nosso
lado, ou em frente, ou na esquina. Os sujeitos se cumprimentavam assim: —
“Bom dia, vizinho. Como vai, vizinho?”. E a simples palavra tinha uma
tensão, um frêmito, uma magia. Era como se “vizinho” fosse um enfático
nome wagneriano, uma espécie de Lohengrin prodigioso.
O mundo era aquela meia dúzia de vizinhos. E justamente a Lili veio
morar duas ou três casas adiante da minha. Hoje ninguém se chama Lili. Lili
é um nome nostálgico, obsoleto, espectral. Naquele tempo, não. Em cada ma
havia uma Lili, ou duas ou, até, três. Havia um pó-de-arroz que se chamava
Lili. Minto. Não era Lili, era Lady. Também havia Odetes por toda a parte.
Ao passo que, hoje, somos um povo de poucas Odetes.
Lili. Conheci o nome antes da pessoa. Um dia, eu estava na mesa,
tomando café com macaxeira. E, então, alguém falou em Lili. Achei o nome
lindo. Lili. Aquilo ficou gorjeando em mim. Faço, p…