Pular para o conteúdo principal

Desejos de Ano Novo

 Começo de ano é sempre igual, toda a rapaziada (peço desculpas pela informalidade, mas é ano novo) reunida comendo um peruzinho ou uma leitoinha (sem querer desrespeitar sua sogra). Coisa que me impressiona é que sempre temos mesa farta, boas risadas e conversas, por que não conseguimos isso em dias "normais"? Digo, não que as coisas fiquem tão apertadas que não possamos fazer um pequeno banquete ou coisa do tipo, mas não é a mesma coisa que quando reunimos nossa família e ficamos perto de nossos entes queridos e isso só ocorre em ocasiões festivas ou fúnebres.

 De uma forma ou de outra, acabamos por nos separarmos de quem amamos, saímos em busca de alguma coisa: instrução, dinheiro, paixão. Sempre nos perguntando: no final das contas, será que valeu a pena? Digo-lhes que não! Você deve buscar novos horizontes, é claro, mas não é preciso ir tão longe, nem permanecer lá tanto tempo. Afinal nossa família é nossa força, você pode ter de tudo, conseguir muito dinheiro, ter saúde e belas companhias, mas de que vale isso tudo?
 Algumas pessoas reclamam dessa época do ano, pelas piadas do tipo "é pavê ou pá come?", mas na verdade, se bem repararmos, esses momentos em família é oque justificam nosso trabalho duro durantes todos os meses. Poder chegar em casa, ver a família reunida, brincar e se divertir com quem amamos, isso é mais que qualquer outra coisa que possamos ter na vida.

E aí, tá gostando de nosso texto, 
acompanhe outras crônicas no nosso BLOG
Confira também nossa crônica MORTE ACIDENTAL

 Percebo desde algum tempo, que a maioria dos conglomerados, companhias, empresas ou corporações são feitas por uma família. Os grandes homens de nosso tempo tiveram sua descendência honrada e perpetua-se até hoje. Hoje as pessoas se individualizam, querem fazer grana para si e para o próprio conforto, no máximo pensam na sua prole direta, não nos seus irmãos, primos, tios. Pois bem, é aí que está o segredo das grandes famílias, seus progenitores não se preocuparam somente com sua descendência direta, mas souberam fazer prosperar todos aqueles que estão à sua volta.

 O importante disso tudo é sabermos que a nossa família é o bem mais precioso que podemos ter, e não importa os defeitos que ela tenha, todas as famílias tem seus altos e baixos. Não importa se você não possui uma família genética ou se seus pais não tem tempo ou não querem ter você por perto. O importante é que em algum momento de sua vida você se dará conta que sua família é um dos bens mais preciosos que você pode ter.

cronica-cidade-2016-2017-feliz-marrychristmans-feliznatal-natal-ano-novo-champanhe-


Breve poema de Ano Novo:


 Uva-passa ano passa
 Tudo passa nos também passamos
 Roupas passadas, carnes assadas
 O que se passa?
 É um novo ano que chega

 Desejo que você realize seus sonhos
 Desejo que você formalize suas decisões
 Desejo que você deseje para mim o que para você eu deseje
 Desejo que você possa ver além do túnel
 Desejo que você possa sentir que possa sonhar que possa sorrir
 Desejo que essas palavras façam sentido para você quanto fazem para mim
 Desejo que para as coisas boas você sempre diga sim.

Desejo-te um Feliz Ano Novo
Mas que seja um ano realmente novo
Com novas amizades, oportunidades, habilidades,
Desejo-te meu caro, minha cara, novas responsabilidades.
Novas escolhas, novos começos
Desejo-te tudo de bom e que todos os seus desejos se realizem esse ano.

1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Desejada Das Gentes, Machado de Assis

— Ah! conselheiro, aí começa a falar em verso.
— Todos os homens devem ter uma lira no coração, — ou não sejam homens. Que
a lira ressoe a toda a hora, nem por qualquer motivo, não o digo eu, mas de longe
em longe, e por algumas reminiscências particulares... Sabe por que é que lhe
pareço poeta, apesar das Ordenações do Reino e dos cabelos grisalhos? é porque
vamos por esta Glória adiante, costeando aqui a Secretaria de Estrangeiros... Lá
está o outeiro célebre... Adiante há uma casa...
— Vamos andando.
— Vamos... Divina Quintília! Todas essas caras que aí passam são outras, mas
falam-me daquele tempo, como se fossem as mesmas de outrora; é a lira que
ressoa, e a imaginação faz o resto. Divina Quintília!
— Chamava-se Quintília? Conheci de vista, quando andava na Escola de Medicina,
uma linda moça com esse nome. Diziam que era a mais bela da cidade.
— Há de ser a mesma, porque tinha essa fama. Magra e alta?
— Isso. Que fim levou?
— Morreu em 1859. Vinte de abril. Nunca me há de esquecer esse dia. Vou

A Coxinha Estragada

Acordei tarde hoje e desobedecendo meu costume não fiz almoço, então fui á lanchonete da quadra comer um salgado. Não que eu seja do tipo que se satisfaz fácil (as "primas" da zona que o digam), mas ordinariamente não como muito no almoço, prefiro comer mais na janta, assim posso dormir de "bucho cheio" como diria seu "Maneu".

 Quando cheguei havia apenas uma coxinha na estufa, e estava exuberantemente convidativa, talvez pela minha fome, ou por ser a última, o aspecto geral me agradou. Também me agradou a moça que estava atendendo, bastante simpática, bonita a bicha ó, dessas de tirar o fôlego. Aparentemente estava em treinamento, porque tinha uma senhora de mal-humor e um cigarro, inapropriadamente perto da comida, na boca, que lhe dizia tudo o que ela tinha que fazer.

 Peguei a coxinha, paguei e fui andando e comendo, pouco depois da segunda mordida, quando chegamos na parte do recheio, para minha decepção o frango estava azedo e quase vomito ali mesmo.…

Um menino de paixões de ópera, Nelson Rodrigues

Bem me lembro dos meus cinco, seis anos. O vizinho era, então, todo
o meu horizonte humano. Ainda vejo as pessoas que moravam ao nosso
lado, ou em frente, ou na esquina. Os sujeitos se cumprimentavam assim: —
“Bom dia, vizinho. Como vai, vizinho?”. E a simples palavra tinha uma
tensão, um frêmito, uma magia. Era como se “vizinho” fosse um enfático
nome wagneriano, uma espécie de Lohengrin prodigioso.
O mundo era aquela meia dúzia de vizinhos. E justamente a Lili veio
morar duas ou três casas adiante da minha. Hoje ninguém se chama Lili. Lili
é um nome nostálgico, obsoleto, espectral. Naquele tempo, não. Em cada ma
havia uma Lili, ou duas ou, até, três. Havia um pó-de-arroz que se chamava
Lili. Minto. Não era Lili, era Lady. Também havia Odetes por toda a parte.
Ao passo que, hoje, somos um povo de poucas Odetes.
Lili. Conheci o nome antes da pessoa. Um dia, eu estava na mesa,
tomando café com macaxeira. E, então, alguém falou em Lili. Achei o nome
lindo. Lili. Aquilo ficou gorjeando em mim. Faço, p…